segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Erro... preconceito...


Quando fazemos um erro.
É difícil assumir que erramos.
É difícil corrigir o nosso comportamento, de modo a evitar mais erros.
É difícil criar novos hábitos.
Mas quando a dor é maior quando erramos, do que quando não erramos.
Mudamos!
Mas mais difícil é viver, quando as outras pessoas não acreditam em nós, que nós mudamos. Não acreditam que as pessoas podem regenerar, que as pessoas podem mudar o seu comportamento, de modo a evitar os erros passados.
As pessoas procuram o prazer, evitando as dores.
É triste que as pessoas sejam preconceituosas. É triste que as pessoas precisem ver que mudamos e que não acreditem nas nossas palavras.
Afinal, estas pessoas só vão mudar, quando as suas opiniões causarem maior dor do que prazer. 

Vives porquê, para quê?


Vives porquê, para quê?
Viver para o marido ou para a esposa.
Viver para o amante.
Viver para um filho.
Viver para um neto.
Viver para um irmão.
Viver para um amigo.
Viver para um animal de estimação.
Viver para a família.
Viver para viajar.
Viver para trabalhar.
Viver para a profissão ou carreira.
Viver para estudar.
Viver para ganhar dinheiro.
Viver para construir um império.
Viver para ultrapassar uma doença ou limitação física.
Viver para uma vida religiosa ou espiritual.
Viver para o sexo.
Viver para os vícios, dependências: drogas, jogos, etc.
Viver para causas sociais.
Viver para os outros.

Motivos fora de nós próprios abundam, é só escolher.
Escolher os outros, parece um motivo altruísta, mas também pode ser um ato de fuga, para não ter de encarar os nossos medos, para não ter de ver-nos a nós mesmos.
Escolher-nos a nós próprios é difícil. Mas devia ser a nossa primeira escolha. E só depois deviamos escolher motivos fora de nós.
Viver por nós próprios.

Afinal, a vida é curta. Nada é nosso, nem nada é eterno.
Tudo nos é oferecido para usufruirmos enquanto vivemos, na medida que precisamos e no tempo certo.

Desespero... O que faz às pessoas?


Desespero... O que faz às pessoas?
Pessoa Desesperada é uma pessoa sem esperança, sem paciência.
Uma pessoa desesperada é capaz de tudo. Sem esperança, agarra a primeira oportunidade que lhe surge. Acredita em tudo e em todos.
São vítimas fáceis para pessoas gananciosas e sem escrúpulos.
Por mais que uma situação seja difícil, o segredo está na nossa atitude de como lidamos com as vicissitudes da vida.

sábado, 9 de dezembro de 2017

O que farias?


Se, por qualquer razão, tivesses apenas um ano de vida, o que farias durante esse ano?
O que mudarias na tua vida?
O que irias fazer durante esse tempo (algo que sempre quiseste fazer)?
Se tivesses todo o tempo e todo o dinheiro do mundo, o que farias com o teu tempo? 

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Viver com um propósito!


Águeda, Portugal


Viver com um propósito!

1. Quem és? Quais são os teus dons, talentos? Quais são os teus defeitos, as tuas sombras? Se não sabes quem és, acreditarás no que os outros te dizem que és. Será mais um passageiro da tua própria vida.

2. Onde te encontras e para onde queres ir? O que queres fazer na vida? Quando fores grande, o que queres fazer na vida? O que farias na vida, se o dinheiro não fosse um problema? Responder as estas questões, permite que encontres um caminho, um objetivo, uma meta para a tua própria vida.

3. Porque é que queres fazê-lo? Qual é a causa que te motiva? Qual é o significado da vida para ti? O que valorizas e que dás importância na vida? O que é que te faz levantar da cama todas as manhãs? O que guia a tua vida? Responder a estas perguntas, permite que descubras a tua paixão, o alimento que te alimenta, a alma da tua vida.

4. O que faz sentido na tua vida? Qual é o teu propósito de vida? Qual é a tua missão na vida? A busca do propósito de vida é uma jornada que pode durar uma vida inteira. O propósito pode ser imutável, isto é, o que faz sentido hoje, pode deixar de fazer sentido amanhã. Encontrar o verdadeiro propósito exige paciência e tempo.

Podes encontrar respostas às tuas perguntas, através da razão, mas também através da meditação, do silêncio, da introspeção.

Faz o que amas, ama o que fazes!
Fazer acontecer!
Fazer a diferença!


“Escolhe o trabalho de que gostas, e não terás de trabalhar um único dia em tua vida”. Confúcio



Aceitar, é o 1. passo para a transformação


Aceitar, é o 1. passo para a transformação
Quando as coisas correm mal, é mais fácil culpar os outros.
Quando há problemas, a culpa parece querer morrer solteira.
Porém, todos somos responsáveis pela situação, bem como somos responsáveis para mudá-la.
Criticar, é fácil.
Mudar, nem tanto, principalmente se implicar sair da nossa zona de conforto.
Para discutir, são necessárias duas pessoas.
Basta uma pessoa não quer, para não haver discussão.
Aceitar que as nossas escolhas nos conduziram a esta situação, é o 1. passo para a transformação, para a mudança.
(Choramos, se sentirmos necessidade.)
Esta tomada de consciência permite-nos passar à fase seguinte: o que é que eu posso fazer para mudar esta situação?
Agir, sem medo de errar.
Fazer o nosso melhor e com outra consciência, levará-nos a outras situações, emoções.
E por sua vez, se a situação não for boa levará-nos ao início: aceitação. E o ciclo reinicia.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Desempenhar uma profissão… é “ser” ou é “fazer”?



Desempenhar uma profissão… é “ser” ou é “fazer”?

O que gostas de fazer? Se não consegues responder a esta questão, pergunta: O que não gostas de fazer?
Em seguida, responde: Porque isto não tem… 
O que responderes na frase anterior levará a que descubras o que gostas de fazer.

Por exemplo:
- O que não gostas de fazer?
- Trabalhar em escritórios
- Porque isto não tem liberdade de ação, criatividade, (é rotineiro)
- Eu gosto de ter liberdade no meu trabalho, trabalhar por desafios, sem rotinas, que exija criatividade

Em vez de perguntar: “Quando fores grande, o que é que queres ser?”, pergunta: “Quando fores grande, o que queres fazer na vida?”
Ser… somos todos os dias, não deixamos de ser. Ter ou fazer… é algo momentâneo, passageiro.

Ser ou ter/fazer?
- O que és? Sou professora ou estou a dar aulas a crianças numa escola?
- E quando te contratarem, o que és? Sou uma professora estagiária ou estou a realizar um estágio?
- E quando te despedirem, o que és? Sou uma professora desempregada ou estou desempregada?
- E quando te reformares, o que és? Sou uma professora reformada ou estou reformada.

O estágio, o desemprego e a reforma serão mais umas etapas na gestão de carreira?

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Como promover a mudança?


Como promover a mudança?
Como fazer que as pessoas mudem?
Como fazer que as pessoas deixem de resistir à mudança?
Como fazer que as pessoas saiam da sua zona de conforto?


Por que é que as pessoas não mudam, tendo em conta o estágio que se encontram:
- Pré-contemplação: não podem mudar
- Contemplação: não querem mudar
- Preparação e/ou Ação:
         . não sabem o que mudar
         . não sabem como mudar
- Manutenção: momento de mudança contínua
- Recaída: retoma aos velhos hábitos.


E se as pessoas não podem mudar, mas querem mudar, devemos capacitá-las para a mudança?
E se as pessoas podem mudar, mas não querem mudar, devemos persuadi-las à mudança?
E se as pessoas podem e querem mudar, devemos fazê-las refletir, para elas escolherem o que mudar?
E se as pessoas podem e querem mudar, devemos ensiná-las, como mudar?
E se as pessoas mudaram, devemos apoiá-las na manutenção dessa mudança e na prevenção de recaídas?


Contudo, se uma pessoa não quer mudar, ninguém tem o poder para promover a sua mudança. A pessoa deve ser livre para escolher, se quer ou não mudar. Forçar alguém a mudar, é um ato egoísta e violento. 
Todos nós somos livres, para sermos quem somos, da forma que escolhermos ser.


Viver implica mudança.
As circunstâncias fazem-nos mudar. 
As crenças e os pensamentos podem cristalizar ou desmoronar comportamentos e atitudes. 
Os sentimentos mudam-nos. 
As emoções transformam-nos. 
As experiências põem tudo em causa. 
O Amor faz-nos renascer!
Sentimo-nos vivos, mudando.
Somos quem somos, porque vivemos. E erramos, porque é suposto aprender com a vida.



segunda-feira, 27 de novembro de 2017

O que gostaria de fazer se o dinheiro não existisse?


O que gostaria de fazer se o dinheiro não existisse?
E se o dinheiro não fosse um objeto, como gostaria de viver a sua vida?

O que anda a fazer com a sua vida?
O que procura?

O que gostaria de fazer se o dinheiro não existisse?
Partindo deste pensamento, o filósofo inglês Alan Watts criou uma espécie de orientação vocacional chamado What If Money Was No Object (E se o dinheiro não fosse um objeto?), onde ele questiona que os indivíduos não tem a menor ideia do que querem fazer da vida. Sendo assim, as pessoas acabam repetindo as mesmas coisas de geração após outra sem uma reflexão.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Como lidar com as inseguranças?

Como lidar com as inseguranças?

* autoconhecimento, identificar o nosso autoconceito (O que acha que é? Qual é a percepção do seu valor?) Isso envolve caraterísticas físicas e psicológicas, pontos positivos e negativos, autoestima.

* identificar as nossas crenças positivas e negativas. Encontra dificuldade em saber qual o melhor caminho a seguir, acredita que está sempre sendo julgado e criticado? Enfim, não tem confiança em si mesmo e, a partir daí, surgem vários ‘medos’.

* identificar e desafiar medos de imperfeição, de rejeição, de perda. Se errar, se falhar, tente de novo, não desista. Seja mais paciente e tolerante consigo próprio. Seja flexível. Relativize mais. Ria mais.

* monitorizar os nossos pensamentos. Pense positivo.

* cuidar-se, mimar-se, respeitar-se. Merece ser feliz. Aprenda a gostar de si próprio. As inseguranças andam lado a lado com a autoestima.

* priorizar as nossas expetativas. Não dependa das outras pessoas, não dependa do seu afeto, da sua atenção, da sua aprovação. Evite comparar se às outras pessoas. Seja único. Seja especial.

* começar por fazer algo pequeno, mas que saiba fazer muito bem. Cozinha bem? Desta forma, os sentimentos de impotência ou de inaptidão vão diminuindo aos poucos e o monstro da insegurança é enfraquecido.

O caminho para ultrapassar as inseguranças é valorizar-se mais, acreditar mais no seu potencial, aprofundar o autoconhecimento.

É tudo uma questão de ordem e disciplina


Se existem processos e procedimentos, é para serem seguidos.
Se existem leis e regras, é para serem cumpridas.
Se existem chefias, é para serem respeitadas.
Se existem causas, é para serem alcançadas.
Se existem intenções, é para serem criadas e vividas com responsabilidade.

A não ser que os processos e procedimentos, se tornem obsoletos.
A não ser que as leis e as regras, se tornem castradoras.
A não ser que as chefias, se tornem insensatas e insensíveis às pessoas, circunstâncias e situações.
A não ser que as causas, se tornem irreais, ilusórias e utópicas.
A não ser que as intenções, se tornem nefastas.

Se existe uma causa, existirá uma consequência. Tudo é uno. Tudo está interligado.

Se existe uma intenção, existirá uma materialização na vida, através de pensamentos, emoções e comportamentos. A intenção é energia, permitindo-nos criar a realidade. 

É tudo uma questão de ordem e disciplina. Caso contrário, a vida seria imprevisível e caótica.

E como na terra vivemos na dualidade, ora existe ordem, ora existe caos, ora coexistem.

Quem tudo quer, tudo perde


Quem tudo quer, tudo perde!

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Quem desdenha, quer comprar!


Quem desdenha, quer comprar!
Quando somos nós a colocar um ponto final numa relação, parece que vivemos o luto da relação com menos dor.
Quando é o outro a terminar uma relação, parece que dificilmente nós compreendemos, aceitamos e respeitamos as razões da outra pessoa. O luto da relação é vivido com muita dor.
Algumas pessoas para não darem parte de fracas, desdenham a outra pessoa, falam mal da relação que era perfeita até aquele momento.
Até no momento do fim de uma relação é preciso saber gerir os nossos pensamentos, palavras, emoções, sentimentos e comportamentos.
Há momentos que temos de saber largar, desapegar.
Afinal, nada é eterno, nem ninguém é ninguém.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Ninguém gosta de ser 2a escolha


Ninguém gosta de ser 2ª escolha...

Esperar demais... Receber de menos


Esperar demais...
Receber de menos...
Quando compramos um serviço queremos ser bem servidos. Procuramos qualidade, preços baixos.
Mas quando os serviços disponíveis são caros e com uma qualidade inferior às expectativas. O que pensar?
Ou nos contentamos com a oferta ou continuamos à procura de serviços melhores?
Para tomarmos a decisão,  precisamos também avaliar: Quanto tempo e recursos dispomos?
Não há uma resposta certa, vai depender de vários fatores.
Mas uma coisa é certa, vamos ter de lidar com os sentimentos de desilusão e de frustração.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Prevenir o desemprego

Como prevenir a doença? Viver saudavelmente.
Alimentação saudável.
Desporto.
Viver simplesmente.
''Corpo são em mente sã.''
Como prevenir o desemprego!? Deixar fluir.
Aumentar a empregabilidade.
Capacitar.
Formação.
Melhorar as competências.
Networking.
''Pessoa habilitada e qualificada, capacidade de empregabilidade aumentada. ''

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Qual deve ser o papel ou a missão de um técnico de emprego?

 
 
Qual deve ser o papel ou a missão de um técnico de emprego?
Um técnico de emprego dispõe de ferramentas para aumentar a empregabilidade das pessoas desempregadas.
Deve ensinar as pessoas a aprenderem a rentabilizar os seus talentos e capacidades a favor da comunidade.
É uma função de grande responsabilidade. Está nas suas mãos ser um elemento impulsionador na procura ativa de emprego.
O técnico de emprego pode ensinar a pessoa desempregada a procurar um emprego ou formação e a criar uma empresa.
Não faz sentido que o técnico de emprego encontre um emprego ou crie uma empresa para o desempregado, quando isso é da responsabilidade da pessoa desempregada.
Não faz sentido que o técnico de emprego faça recrutamento e selecção, quando isso é da responsabilidade do técnico de recursos humanos.
Na maioria das vezes, encontrando um emprego, o técnico de emprego quer ajudar os desempregados, mas esta atitude não ajuda nada a crescer a pessoa desempregada.
Os técnicos de emprego querem ser salvadores dos mais fracos, têm um ego enorme, em contraposição com o desempregado que pode estar a passar por uma crise de identidade e de autoestima.
A missão do técnico de emprego é:
''Ensinar a pescar e não dar o peixe''.  

O que procuras obter com o teu emprego?

 
O que procuras obter com o teu emprego?
* salário / remuneração
* reconhecimento profissional
* realização profissional
* status
* liberdade
* estilo de vida
* identidade
* sentimento de pertença
* estabilidade

O que é que um desempregado mais deseja?

 
 
O que é que um desempregado mais deseja?
UM EMPREGO!
Quando uma pessoa desempregada visita o centro de emprego procura que este lhe encontre um emprego. Ela não procura serviços de informação, aconselhamento, orientação vocacional e de técnicas de procura de emprego.
No limite, a pessoa desempregada procura que os outros lhe resolvam os seus problemas, nomeadamente lhe dêem subsídios de desemprego ou rendimento mínimo, etc.
Existe tanta coisa mais interessante para fazer do que trabalhar, do que aturar chefes, do que cumprir horários ou regras.
Cada um é livre para escolher o seu caminho de vida.
Se uma pessoa quiser trabalhar, deve procurar ter acesso ao mercado de trabalho.
Se uma pessoa não quiser trabalhar, deve procurar criar novas formas de rendimento.  

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Renascer das cinzas


Somos responsáveis por aquilo que nos acontece, por aquilo que atraímos.
É natural que pessoas com coração elevado atraiam pessoas e situações agradáveis. Porém, também estão mais susceptíveis de apanhar resfriados, isto é, podem atrair algumas circunstâncias menos agradáveis. São pequenos testes à nossa condição humana imperfeita.
É natural que pessoas com coração negativo atraiam pessoas e situações desagradáveis. Se acontece algo de bom, nem se apercebem, nem querem acreditar. Desvalorizam as circunstâncias.
Podemos não controlar o que nos acontece, mas podemos escolher como reagir às circunstâncias.

Expetativas


Quando esperamos que algo corra mal, vai correr mesmo mal.
Quando esperamos que algo corra bem, nem sempre corre bem.
Haja paciência!!!

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Paciência


Paciência...

Que competência tão preciosa e necessária nos tempos que correm.

Tudo tem um tempo na vida.

Com o ritmo apressado da vida, as pessoas querem tudo para ontem. Não sabem esperar.

Ser paciente implica...
. ter autocontrole emocional, isto é, implica suportar situações desagradáveis sem perder a calma. 
. ser tolerante com os erros alheios ou com as situações desagradáveis.
. ser perseverante em relação a algo, como uma resposta, situação ou ação que aparentemente não tem previsão para se concretizar. 

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Foco


Foco...

Saber o que queremos da vida é algo valioso.

Poupamos:
. tempo
. recursos
. desgaste emocional
. problemas

Estar confuso relativamente ao nosso percurso de vida é mais comum do que pensa.

Mas adiar a reflexão só pode ser prejudicial.

Devemos procurar informações,  falar com outras pessoas, procurar aconselhamento, experimentar e vivenciar... E o caminho surgirá!

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Confie...



“A existência é mais sábia que você. Então o que quer que ela lhe dê pode ser amargo, mas é remédio. Pode não parecer doce no início, mas finalmente você verá que lhe proporcionou algo que apenas um único estado mental não poderia ter lhe dado. Sendo assim, o que quer que esteja acontecendo, é bom. Vá com calma. Isso não é para sempre, isso também vai mudar. Mas não faça nenhum esforço para mudar. Deixe isso com a existência. É a isto que chamo de confiança. A existência é mais sábia que você e irá lhe proporcionar todas as oportunidades necessárias para o seu crescimento.”
Osho

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Dar valor


Damos valor aos outros, quando...
. passamos por situações idênticas
. nos colocamos no lugar do outro

Podemos ouvir dos outros sobre as suas dores, mas é quando vivemos situações idênticas que damos valor à outra pessoa.

sábado, 5 de agosto de 2017

Viver


"Procuro não ter planos para a vida 
para não atrapalhar os planos que a vida possa ter para mim."
Agostinho da Silva

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Reclamar


Reclamar significa...
Protestar ou queixar-se sobre algo que não é como esperado.
Reivindicar ou exigir algo que acha que tem direito.

Direitos e deveres
Para uma pessoa ter direitos é necessário dar algo em troca.
Não há almoços grátis.

Porque as pessoas reclamam?
1. Embora ninguém reclame pelas mesmas razões, a razão principal pela qual as pessoas o fazem é comum a todas: sentir que controlam uma determinada situação.
2. Muitas vezes as pessoas reclamam para chamar a atenção, para que os outros as ajudem com os seus problemas e no processo de tomada de decisões. 
3. As pessoas que reclamam tendem a ter níveis mais altos de autoestima do que aqueles que não reclamam. Isto porque as pessoas que reclamam frequentemente acreditam que a sua opinião importa e que têm direito à atenção dos outros — assim sendo, reclamam porque acreditam que ao fazê-lo são capazes de mudar situações e levar a que as coisas funcionem a seu favor.

Resumindo, sempre que reclamar, tente encontrar a razão por trás da reclamação:
. pode ser do stress,
. pode ser uma busca por conselhos ou
. pode esconder outros problemas maiores.
No caso de se rever nesta última opção, tente mudar a forma como pensa, não julgue tanto os outros ou faça ioga.

Confia


Quem desconfia das outras pessoas...
ou está escaldado com a vida,
ou não é uma pessoa de confiança. 

Deturpar a verdade


Deturpar a verdade 

Não vale a pena falar com pessoas que julgam que têm razão, pois é o mesmo que dar um remédio a um morto.

Não vale a pena!

Fernando Pessoa dizia: "Tudo vale a pena, quando a alma não é pequena."

Só apetece dizer que estas pessoas têm uma alma muito pequena.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Agir


"Não pode mudar o vento, 
mas pode ajustar as velas do barco para chegar onde quer."
Confúcio


Não controlamos nada na vida, 
mas podemos aceitar o que a vida nos oferece.

Aceitar e valorizar quem escolheu ficar ao nosso lado
 e respeitar quem escolheu partir.

Podemos não escolher o que nos acontece, 
mas podemos escolher a nossa atitude face às circunstâncias.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Transformar problemas em oportunidades


Desemprego...

Pode ser um momento para refletir, para repensar, para reinventar a nossa vida.

Vale a pena refletir.
Na vida...
O que gostas de fazer?
O que fazes bem?
O que me carateriza?
O que é importante para mim?
A que dás valor?

Vale a pena repensar-nos. 
Na vida...
É possível gostar de fazer outras tarefas?
É possível fazer diferente, fazer melhor?
Existe algo mais com que me identifico?
Tenho priorizado o que é importante?
Tenho dado valor aquilo que valorizo?

Vale a pena reinventar-nos. 
Na vida...
Vou olhar sob diferentes perspetivas.
Vou experimentar novidades.
Vou fazer de forma diferente.
Vou casar áreas distantes e distintas.
Vou acrescentar pormenores.
Vou reutilizar.
Vou criar.
Vou inovar.

Vou acreditar que tudo é possível!

E tu, vais aproveitar esta oportunidade?!
E tu, vais transformar problemas em oportunidades?!

Lei do menor esforço...


Lei do menor esforço...

Para nos relacionarmos com as outras pessoas devia haver um livro com regras. Era mais fácil.

Evitava muitos problemas e mal entendidos.

Há tanto desemprego.
Há tanto trabalho para fazer.

E ninguém disposto a trabalhar.
E ninguém quer problemas.

Querem trabalho fácil e bem remunerado.
Querem um emprego com qualidade.

Quando digo que não quero, não quero!


Quando digo que não quero, não quero! Porque é que insistem?!

Se vivemos numa democracia, devíamos ser livres para escolher de acordo com a nossa consciência.

Mas quando insistem que devemos comer carne, quando somos vegetarianos. Não me parece muito correto! Merecemos respeito!

Podemos estar errados, mas ninguém nos deve forçar a comer aquilo que não queremos!

Se as consequências das nossas escolhas não prejudicarem terceiros, a liberdade de escolha é nossa. A responsabilidade é nossa.

A minha liberdade termina quando começa a liberdade do outro.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Como quebrar o ciclo vicioso de comportamentos destrutivos?


Dependências...

Como quebrar o ciclo vicioso de comportamentos destrutivos?

Etapas do processo de mudança:
. reconhecer que temos um problema de dependência
. tomar consciência que precisamos mudar
. pedir ajuda a terceiros
. estabelecer objetivos de mudança
. assumir um compromisso de que vamos mudar
. ser disciplinado
. não nos culpar, se tivermos recaídas
. persistir em comportamentos de mudança
. desenvolver a nossa força de vontade
. treinar os comportamentos de mudança todos os dias
. festejar sempre os progressos

Sê saudável! Sê feliz!

terça-feira, 11 de julho de 2017

Que seja o melhor para todos!


Fim de um ciclo é o início de outro ciclo.

Fim de algo é quase sempre doloroso, pois implica perda desse algo e ao que lhe está associado.

Mas o início de algo pode ser maravilhoso, apesar do medo do desconhecido.

Estabilidade é bom e seguro, mas também pode ser um elemento castrador ao nosso desenvolvimento pessoal.

Que venha a mudança! 
Que seja o melhor para todos!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Metas a longo prazo


O que quer nesta vida (Sol) 
e de que forma se pode organizar e dar forma (Saturno) ao que se quer?

Ser original ou ser cópia?!


A inveja ...
. é uma emoção resultante da percepção de que a vida é limitada e escassa
. é um desejo de possuir algo que pertence a outra pessoa
. pode ser acompanhada de outros sentimentos, tais como, ciúme, ódio ou raiva

Mas, se uma pessoa repensar que a vida ...
. é abundante e próspera
. tem pessoas especiais, com talentos diversificados, com perspetivas de vida diferentes, com histórias de vida únicas
. é para ser vivida simplesmente

Então...
Porque cobiçamos o que é do outro?
Porque queremos ser cópias dos outros?

Não será mais interessante, ser original?
Ser original, não será libertador e prazeroso?
Ser original, não será dar um colorido à vida?

Para quê sermos todos cinzentos, quando podemos ser a cor que quisermos?
(Nem sempre o que queremos, será o melhor para nós)

Mas, ser diferente pode levar à frustração, à rejeição e à perda de amor por parte do outro.
E isso, pode ser muito doloroso!
Escolher entre a dor e o prazer, o que escolhias?
O risco pode ser grande, mas a recompensa pode ser enorme.

Escolher entre ser original ou ser cópia, o que escolhias?

Napoleão Bonaparte costumava afirmar que "a inveja é um atestado de inferioridade".

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Para que vives?


Para que vives?

Há pessoas que vivem para ...
. a família (filhos, netos, marido/esposa, etc.)
. o trabalho
. serem aceites
. serem amados
. ganhar dinheiro
. curtir a vida
. os seus próprios interesses
. o seu ego

Algumas pessoas vivem só em função dos seus interesses.

Enquanto outras pessoas, vivem tanto em função dos outros que se esquecem de si próprios.

A nossa principal prioridade na vida deve ser "nós próprios" e depois os outros.

Às vezes, deslocamos o nosso foco para os outros, para não pensarmos em nós próprios, para não tomarmos consciência de como as nossas vidas são vazias: de objetivos, de sonhos.

Viver em Equilíbrio: 
Vivermos em função de nós próprios, mas tendo em consideração os outros. 

Birras e amuos!!!


Quando não fazemos a vontade a uma pessoa e, ela faz birra e amua.

Se a pessoa que faz birra tem 4 anos, parece-nos mais ou menos normal. Podemos dizer: "olha a menina mimada, a fazer birra".

Mas se a pessoa tiver 50 anos, a situação muda de figura.

Será compreensível uma pessoa desta idade fazer birra e amuar!?

O que nos diz sobre a saúde da sua personalidade? Será uma pessoa saudável? Será um comportamento normal e ajustado à realidade e à sua idade?

Como lidar com pessoas assim? Ignorar? Confrontar? Partilhar com a outra pessoa sobre como aquele comportamento nos faz sofrer e nos magoa? Cortar relações com essa pessoa? Tolerar este tipo de comportamentos?

Enfim, existe um infinito de possibilidades... mas nenhuma me parece educativa e promotora de mudança de atitudes na outra pessoa.

Quando uma pessoa não querer ouvir e aprender, não existe lição que seja apreendida.

Mudar pessoas é uma perda de tempo. Muda-te a ti mesmo e mudarás as tuas circunstâncias!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Saber viver


Torre de Belém, Lisboa, Portugal

Saber viver...

Há pessoas que nunca são chamadas à responsabilidade dos seus atos.

Conseguem viver à margem da lei, das regras e normas da sociedade.

Conseguem manipular as circunstâncias a seu favor, não tendo empatia pelo sofrimento das outras pessoas.

Perante problemas ou situações difíceis, conseguem arranjar soluções criativas: apresentam-se como "salvadores da pátria" e as outras pessoas ficam com o trabalho sujo.

Ser vítima destas pessoas. Ver-nos envolvidos em situações manipuladoras similares, deve-nos fazer refletir...

Nos últimos tempos, manipulamos alguma situação ou alguma pessoa, a nosso proveito, desrespeitando as regras estabelecidas?



Dar ou não dar, és a questão?


Perante uma pessoa com dificuldades ou a passar necessidades, temos o impulso de ajudar.

Na maioria das vezes, ajudamos como podemos e sabemos.

À primeira vista, dar ou ajudar o outro, parece ser um ato fácil e simples, que depende mais do querer da pessoa dadora do que da pessoa necessitada.

No entanto, na maioria das vezes não é bem assim. Nem sempre a nossa ajuda pode ser eficaz.

A pessoa necessitada pode ...
. precisar de outras coisas diferentes daquelas que estamos dispostos a dar.
. não se adaptar às novas regras que tem de cumprir para usufruir dos apoios.
. não saber o que lhe faz falta.
. não saber como pedir o que lhe faz falta.

De que vale dar ou ajudar, se a pessoa necessitada não vai aproveitar os apoios fornecidos pela pessoa dadora?!

"Dar pérolas a porcos."

Procura-se emprego?


Todos querem empregos e ninguém quer trabalho!

Mesmo desempregadas, as pessoas não se disponibilizam a sacrificar pelas empresas.

Mesmo empregadas, as pessoas pretendem fazer o mínimo indispensável pelas empresas.

Há uma vida lá fora! Fora dos seus  empregos e trabalhos! Por isso trabalha-se para cumprir calendário.

E aqueles que pretende mudar a envolvente... sofrem...

Qual a diferença entre trabalho e emprego?


Qual a diferença entre trabalho e emprego?

Para alguns...
Trabalho é uma atividade em que o trabalhador é "pau para toda a obra".
Emprego é uma atividade remunerada em que o trabalhador tem tarefas bem definidas a cumprir.

Para outros...
Trabalho e Emprego são sinónimos, isto significa que ambos querem dizer que são a prestação de um serviço em troca de um salário.

E o que significa Voluntariado?
E qual a diferença entre trabalho, emprego e voluntariado?

E o que significa Empreendedorismo?
E qual a diferença entre trabalho, emprego, voluntariado e empreendedorismo?

segunda-feira, 3 de julho de 2017

O que farias?


Um carro novo é bom de experimentar...
Um casaco novo é tão bom de vestir...
Um bebé é tão lindo... 
Um cachorrinho é tão fofinho...

Mas quando o carro está velho, ou quando o casaco está muito usado, ou quando o bebé é um idoso de 80 anos, ou quando o cão está velhinho... será que a nossa opinião é a mesma de quando eles eram novos?

Tenho dúvidas!!!
A aparência pode ser menos bonita, as doenças podem ter aparecido, as limitações podem condicionar mais, os problemas aparecem com mais frequência, a eficácia e a eficiência são menores...

Tudo isso pode-nos levar a pensar melhor que...
Está na hora de trocar de carro...
Está na hora de comprar um casaco novo...
Está na hora de trocar/comprar um idoso novo ou um cão novo. A sério! Pensas assim !?

Bens materiais parece-me que podem ser descartáveis, por mais amor que tenhamos em relação a eles. Mas descartar pessoas, animais ou plantas parece-me que esse comportamento nem é sensato nem humano.

E tu, o que farias em situações idênticas?